Serpros

PS-II: variação da cota em setembro/2021

PS-II: variação da cota em setembro/2021

A rentabilidade da cota do PS-II CD em setembro/2021 foi 0,18%. No mês de setembro, as NTN-Bs marcadas na curva contribuíram positivamente para o plano, enquanto os fundos de ações contribuíram negativamente, acompanhando o desempenho do Ibovespa.

 

A alta acumulada do IGP-M nos últimos meses, apesar de já apresentar movimento contrário em setembro, com variação negativa de -0,64%, agora reflete na alta do IPCA, muito em função da indexação de preços na economia brasileira, contribuindo para o desempenho positivo das NTN-Bs da carteira, marcadas na curva.

 

Por outro lado, as NTN-Bs marcadas a mercado continuam apresentando rentabilidade negativa, principalmente as de vencimento mais longo. Este desempenho está conectado com o movimento da curva de juros, inclinando cada vez mais para cima. Esta inclinação está relacionada aos cenários internacional e interno. Pelo lado do cenário internacional, a visão é de maior risco de alta da inflação global, relacionada aos incentivos ao crescimento econômico pós-covid, nas principais economias do mundo.

 

Neste sentido, as curvas de juros nessas economias estão inclinando para cima, com a expectativa de que os bancos centrais desses países sejam obrigados a retirar incentivos e aumentar as taxas de juros, a fim de conter possíveis altas inflacionárias futuras. Esse movimento acaba por influenciar as taxas de juros futuras da economia brasileira, em função do prêmio de risco precificado nos ativos do país, em relação às economias mais desenvolvidas.

 

Pelo lado do cenário interno, as incertezas do mercado a respeito da política fiscal e dos ruídos políticos do país também contribuíram para a inclinação da curva de juros. Nesse sentido, a aversão ao risco aumenta e o mercado passa a precificar juros mais altos no futuro, tanto para fazer frente ao prêmio de risco cobrado pelo investidor para comprar estes ativos, como também refletindo uma ação do Banco Central no combate à inflação futura. Essas incertezas no mercado internacional e interno continuam influenciando negativamente, também, o Ibovespa e o câmbio. A intensificação do sentimento de aversão ao risco, potencializado no mês, pelos problemas financeiros da incorporadora imobiliária chinesa Evergrande, influenciaram a maior parte dos índices de ações globais e o Ibovespa não escapou desse movimento.

 

18/10/2021