Serpros decifra: o que são ações?

02/03/2018
O sistema financeiro é formado pelas regras, instituições, produtos e instrumentos que viabilizam e controlam a transferência de recursos ou ativos financeiros entre pessoas físicas e jurídicas que possuem dinheiro para investir (poupadores) e as que necessitam de dinheiro “emprestado” (tomadores). O Serpros, como gestor de poupança previdenciária, participa do sistema investindo os recursos dos participantes dos planos.
Os principais tomadores são o Governo Federal, quando emite títulos públicos, e as empresas, quando emitem debêntures e outros títulos privados, além das ações.
Explicando melhor, quando uma empresa tem potencial para crescer e precisa de novos investimentos, pode tomar dinheiro emprestado com o banco, mas também pode obtê-lo emitindo ações, uma opção mais barata do que pagar juros altos aos bancos. As ações são papéis ou títulos de propriedade que representam a menor parte do capital social da empresa.
As ações podem ser compradas por pessoas físicas e/ou jurídicas, que irão ter lucro ou prejuízo negociando-as com outros investidores. O valor da ação é determinado pela demanda, ou seja, oferta e procura entre os investidores. Há papéis que também pagam dividendos, uma pequena parcela de lucro da empresa, ao investidor.
Para impulsionar o mercado de capitais, a responsabilidade dos acionistas sobre as obrigações sociais, como dívidas de uma empresa, passou a ser limitada ao valor pago (preço) pelas ações adquiridas.

consulte Mais informação
serpros 2 de março de 2018 0 Comentários

Educação Financeira e Previdenciária tem destaque em congresso

22/09/2016
As melhores práticas em Comunicação, Educação e Relacionamento foram compartilhadas pelas Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) durante o 37º Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão (12 a 14/09). Na ocasião, as entidades apresentaram pesquisas e cases de sucesso.
Embora com desafios diferentes, os programas de educação financeira e previdenciária das EFPC atuam com o mesmo foco. Grande parte das ações trabalham os temas finanças pessoais, poupanças de longo prazo e preparação para aposentadoria, valorizando a qualidade de vida.
Para Consuelo Vecchiatti, coordenadora da Comissão Técnica Nacional de Educação da Abrapp, a troca de experiências sobre educação financeira e previdenciária é importante para o aperfeiçoamento do trabalho que as EFPC oferecem aos participantes, pois visam melhorar a qualidade do serviço prestado. “Trocando informações com outras entidades, temos exemplos e referências da melhor forma de comunicação e relacionamento com os nossos participantes, de modo que os mantemos informados e em condições de acompanhar melhor o seu plano de previdência”, ressalta.
O gerente de Relacionamento do Serpros, Naévio Rangel, considera que “a participação no congresso é fundamental para trocarmos experiências e nos mantermos atualizados com os temas de relevância do segmento. É de suma importância conhecermos os trabalhos dos nossos colegas”.
Aliada ao desenvolvimento das ações dos programas, a Tecnologia da Informação contribui para agilizar os processos, favorecer o acesso aos conteúdos e facilitar a mensuração dos resultados. Segundo o gerente de TI da Fundação Forluminas de Seguridade Social (Forluz), Cristiano Freitas, “compartilhar conhecimentos permite também racionalizar os custos com tecnologia de ponta”.

consulte Mais informação
serpros 22 de setembro de 2016 0 Comentários

Planeje sua Previdência Complementar

22/09/2016
Para quase tudo na vida, organização e planejamento são fundamentais para se conseguir bons resultados. As pessoas planejam casamentos, a compra de um carro ou de uma casa, a mudança de apartamento, entre outros tantos projetos. E para a aposentadoria? Será que o brasileiro tem se planejado de fato para essa fase importante da vida?
O advogado e professor de educação financeira, Cristiano Watzko, quando jovem, não deu ouvidos aos conselhos dos pais e teve problemas. A partir de sua experiência, ele compartilha abaixo informações importantes sobre o tema.
Existem duas maneiras clássicas, a saber:
1 – Previdência pública: Esta é a clássica fonte de renda para a aposentadoria e administrada por uma instituição pública, ou seja, pelo governo brasileiro. No caso daqueles que contribuem para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), há um teto para a contribuição e também para o valor a ser recebido. E este último irá depender da idade na aposentadoria, dos valores contribuídos e do tempo de contribuição;
2 – Previdência privada ou complementar: Esta é a fonte de renda para a aposentadoria mais utilizada por aqueles que não contribuem para o INSS ou por aqueles que querem complementar a aposentadoria pública, pois esta pode ser insuficiente para manter o mesmo padrão de vida do período imediatamente anterior à aposentadoria.
Dicas de quando escolher uma Previdência Complementar:
* Aproveite o presente, mas lembre-se: você pode viver muito! – A expectativa de vida tem aumentado continuamente: a) em 1980, a expectativa de vida média do brasileiro era de pouco mais de 62 anos e b) em 2010, esta expectativa de vida aumentou mais de 10 anos, passando para pouco mais de 73 anos. Por isso, considere que você irá viver bastante. Aproveite bastante o presente, porém não descuide de seu futuro;
* Visualize o seu futuro – Reserve um momento da semana ou do mês para visualizar como será a sua velhice. Imagine-se com mais idade e pense como você gostaria de estar vivendo a vida. O que você gostaria de estar fazendo? Vai querer continuar trabalhando? Gostaria de viajar muito? Quais os bens que você gostaria de ter? Ou seja: “Sonhe”. Só assim você conseguirá definir quais são os seus objetivos de longo prazo;
Calcule o quanto você irá precisar na sua aposentadoria – Depois de definir como será o seu futuro, planeje-se. Transforme o seu “sonho de futuro” em números e calcule o quanto você terá que economizar, desde já, para conseguir o seu objetivo. Analise principalmente se a sua Previdência Privada conseguirá lhe dar o mesmo nível de conforto e segurança que você almeja;
Reserve um percentual fixo para investimentos mensais – Tente definir um valor fixo, ou um percentual fixo de seu salário, que será investido com o objetivo de realizar o seu “Sonho de Futuro”;
* Aproveite os benefícios da Previdência Complementar de sua empresa – Muitas empresas oferecem um plano de Previdência Complementar aos seus funcionários, e isto pode ser algo bastante vantajoso para você. Além de normalmente oferecerem taxas de administração mais baixas, a própria empresa costuma contribuir com aportes à aposentadoria de cada funcionário;
* Ganhe com os juros compostos – O tempo é o seu maior aliado nos investimentos: quanto antes você começar a investir, mais recursos você terá no final. O efeito dos “juros compostos” é impressionante;
* Tenha saúde – De nada vai adiantar ter muito dinheiro para gastar com viagens e lazer se você não tiver saúde e disposição para usufruir tudo isso. Neste sentido, a nossa Saúde é muito similar às nossas Finanças: é preciso sempre cuidar de ambas, e quanto antes começar a cuidar, melhor. Faça bom uso das dicas acima, e principalmente tenha um planejamento. Até a próxima.
(Fonte: Cristiano Mahfud Watzko, do JDV Online)

consulte Mais informação
serpros 22 de setembro de 2016 0 Comentários

Educação financeira, previdenciária e qualidade de vida nas redes sociais

24/08/2016
O SERPROS está no Facebook. Nossa página traz dicas de leitura de livros, artigos e notícias sobre finanças, previdência, qualidade de vida, além de alguns lembretes de datas comemorativas importantes.
Você que já está presente nas redes sociais, acesse a página facebook.com/serprosprevidencia e saiba mais.
Explore, curta e compartilhe!

consulte Mais informação
serpros 24 de agosto de 2016 0 Comentários

4 dicas simples e poderosas para terminar o mês com a conta no azul

10/08/2016
Não é fácil, nós sabemos! A cada começo de mês, mais pessoas entram em desespero porque “sobra mês e falta dinheiro”. As razões podem ser diversas, mas o que muita gente acaba escolhendo como culpado é a “baixa renda” da família.
Não podemos deixar de considerar que, no atual momento econômico do país, com desemprego latente, inflação e juros altos, chegar até o final do mês com a conta no azul é um exercício bem difícil. É fato, ainda assim, mais do que nunca é fundamental colocar em prática algumas dicas simples, mas poderosas.
Quer saber quais são as dicas do educador financeiro Ricardo Pereira para terminar o mês com a conta no azul? Acesse o artigo na íntegra, no site Dinheirama.

consulte Mais informação
serpros 11 de agosto de 2016 0 Comentários

Educação financeira: mais lazer e felicidade nas viagens e férias

30/06/2016
Sempre que analiso com calma o orçamento de algum amigo, percebo que existe uma questão muito importante que fica de lado: quase sempre não há preocupação em reservar espaço no orçamento para planejar algo importante e que considero fundamental, o lazer. Quem não quer viajar mais, melhor e ter férias mais divertidas e menos problemáticas, especialmente na questão financeira?
Contabilizando o lazer
Não que as pessoas não encontrem ou empreguem tempo e dinheiro para essas atividades. O fato que mais chama atenção é que não existe, na maior parte das vezes, o planejamento ativo para que a diversão não represente dor de cabeça na hora de contabilizar os gastos do mês ou da viagem. É aquela história: “depois a gente decide como vai pagar por isso e aquilo”.
Quer saber como planejar bem as suas férias? Clique neste link e leia o artigo do educador financeiro Ricardo Pereira, no site Dinheirama.

consulte Mais informação
serpros 30 de junho de 2016 0 Comentários

Pitadas de educação: conheça as três modalidades da previdência

01/06/2016
Em informativos anteriores, traçamos um resumo da história da previdência e abordamos a regulamentação da previdência privada.
Seguindo os padrões internacionais, a previdência no Brasil é constituída por três modalidades: Previdência Social, mantida pelo Governo Federal, Previdência Complementar Aberta e Previdência Complementar Fechada.
A previdência aberta é aquela comercializada pelas instituições financeiras a qualquer pessoa física, em regime de capitalização, com adesão voluntária, sem efeito contributivo e com objetivo de obter lucro.
Já a Previdência Complementar Fechada é oferecida pelas empresas ou associações de classe aos seus trabalhadores ou associados/vinculados, respectivamente. Como a aberta, também é voluntária e adota o regime de capitalização. As principais diferenças são: o efeito distributivo, que, dependendo da modalidade do plano de benefício, tem efeito distributivo; pode ser de benefício definido ou contribuição definida; e não visa lucro.
As Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) constituem instituições sem fins lucrativos e os recursos administrados pertencem aos participantes dessas instituições. O SERPROS se enquadra neste segmento.
Quer conhecer mais sobre a estrutura da previdência no Brasil? Inscreva-se no curso a distância Plano Serpro II: Previdência Complementar do Serpro. A atividade está disponível no calendário da UniSerpro Virtual.

consulte Mais informação
serpros 1 de junho de 2016 0 Comentários

Encontro em Brasília debate soluções criativas para as EFPC

19/05/2016
O gerente de Relacionamento, Naévio Rangel, representou o SERPROS no Encontro Nacional de Comunicação, Relacionamento e Educação dos Fundos de Pensão, nos dias 11 e 12 de maio, em Brasília.
O evento, promovido pela Abrapp, com apoio de suas Comissões Técnicas Nacionais e Regionais de Comunicação, Relacionamento e de Educação, reuniu dirigentes, conselheiros, gestores e outros profissionais de diversas áreas de conhecimento para debater soluções criativas nessas áreas com foco em previdência complementar.
“Neste ano, o encontro trouxe uma novidade muito positiva, que foi a integração das três Coordenações Técnicas no mesmo evento. Isso é muito positivo, pois resultou uma sinergia maior, já que são áreas afins”, diz o gerente de Relacionamento do SERPROS, Naévio Rangel.

O gerente de Relacionamento, Naévio Rangel, ladeado das representantes das áreas de Comunicação e Relacionamento do Nucleos Instituto de Seguridade Social

O gerente de Relacionamento, Naévio Rangel, ladeado das representantes das áreas de Comunicação e Relacionamento do Nucleos Instituto de Seguridade Social

consulte Mais informação
serpros 19 de maio de 2016 0 Comentários

Pitadas de educação: quando a previdência privada foi regulamentada

19/05/2016
Para entendermos mais sobre nossos planos de benefício, apresentamos no SERPROS em Dia anterior um resumo da história da previdência.
Vale ressaltar que a previdência privada foi regulamentada apenas em 1977, por meio da Lei nº 6.435, embora a complementação de aposentadoria tenha sido instituída no Brasil nos anos 40, pelo Banco do Brasil.
Durante o processo, os diversos institutos de Aposentadoria e Pensões, que surgiram com o avanço da industrialização, foram unificados e, em 1966, se transformaram no Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) – hoje o Instituto Nacional do Seguro Social, do qual todos os brasileiros com carteira assinada participam.
Quer conhecer mais sobre a estrutura da previdência no Brasil? Inscreva-se no curso a distância Plano Serpro II: Previdência Complementar do Serpro. A atividade está disponível no calendário da UniSerpro Virtual.

consulte Mais informação
serpros 19 de maio de 2016 0 Comentários

Pitadas de educação: era uma vez a previdência…

04/05/2016
Sabe como surgiu a previdência? A previdência privada vem de um processo de evolução dos institutos fechados de socorro mútuo e pensão, como a Previ-Caixa, que foi fundada em 1904 como caixa de montepio (*) para o pagamento de pensão à família do empregado após seu falecimento.
Já o conceito de previdência social apareceu pela primeira vez no Brasil em 1923, com a criação da Lei Eloy Chaves (**). O texto propunha a formação de uma reserva para os empregados de cada uma das empresas ferroviárias no país.
Quer saber um pouco mais sobre o assunto? Inscreva-se no curso a distância Plano Serpro II: Previdência Complementar do Serpro. A atividade está disponível no calendário da UniSerpro Virtual.
 
(*) Tipo de pensão destinada a prover o sustento de um beneficiário.
(**) Lei Decreto nº 4.682, de 24 de janeiro de 1923. Disponível em: https://sislex.previdencia.gov.br/paginas/23/1923/4682.htm

consulte Mais informação
serpros 4 de maio de 2016 0 Comentários